• Menu
  • Menu

Vacinação pré-intercâmbio: saiba quais medidas preventivas devem ser tomadas

Na checklist da preparação para o embarque ao intercâmbio um importante item não pode faltar: o cuidado com sua própria saúde. Além de se preparar com antecedência agendando consultas para fazer um checkup geral, dependendo do país de destino algumas providências mais específicas devem ser tomadas. A vacinação e a emissão de um certificado que comprove sua imunidade é uma delas.

Sendo o Brasil um país que apresenta risco de transmissão de febre amarela, o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é exigido para alguns destinos populares entre intercambistas, como Austrália e Malta. Se você está de viagem marcada para um desses países deve receber a vacina contra febre amarela no posto de saúde local ou em uma clínica privada credenciada. Para agilizar a emissão de seu certificado, é indicado preencher um pré-cadastro no site da Anvisa e após a vacinação deve-se ir até um Centro de Orientação para a Saúde do Viajante, a fim de obter o documento.

Para moradores de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia o acesso à vacina contra a febre amarela está ainda mais fácil, em função de uma campanha conduzida pelo Ministério da Saúde. Entre fevereiro e março deste ano, estima-se que 19,7 milhões de pessoas deverão receber a dose fracionada ou padrão da vacina, com o objetivo de se evitar a expansão do vírus. Em outras regiões do país, a vacina também pode ser encontrada normalmente nos postos de saúde.

Atualmente, 135 países fazem parte da lista de destinos que exigem a vacinação preventiva contra a febre amarela. Outros países populares entre os intercambistas, como Reino Unido e Irlanda, não exigem o documento oficial comprovando imunidade, contudo, a vacinação contra outras doenças pode ser recomendada. De acordo com o portal da Anvisa, recomenda-se que viajantes que estejam indo para a Irlanda, por exemplo, tomem a vacina contra sarampo.

É importante lembrar também que é essencial vacinar-se com antecedência. As vacinas possuem um período para atingir a proteção esperada, variando entre 10 dias e seis semanas. No caso da vacinação contra febre amarela, o não cumprimento do prazo de proteção pode impedir a entrada do viajante em alguns países. Por essa razão, é bom ficar atento às datas requeridas para cada imunização. Informações completas sobre as vacinas exigidas e recomendadas para cada destino podem ser conferidas aqui.


Atenção! A campanha realizada pelo Ministério da Saúde nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia está distribuindo doses fracionadas e integrais da vacina contra a febre amarela. A dose fracionada, contudo, não irá valer para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia, já que o documento exige a dose inteira da vacina, que é de 0,5 mililitros e imuniza para a vida toda. De acordo com a Anvisa, quem tiver viagem marcada deverá comparecer aos pontos de vacinação com a passagem aérea em mãos, a fim de comprovar a necessidade da dose padrão. Quem tomar a dose fracionada durante a campanha e posteriormente decidir viajar deve ser imunizado com a dose padrão, mas o intervalo entre as duas vacinas tem que ser de, no mínimo, 30 dias, segundo o Ministério da Saúde.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.